SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 10

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Os livros resistem

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Talvez o meu objeto preferido seja o livro. Todos temos objetos que amamos. Uns amam seu telefone. Outros, suas roupas. Alguns amam raquetes, bolas, pranchas. Entre outras poucas coisas, gosto muito de livros.

O Brasil é ruim pra quem gosta de livros. Vários são caros. Duas das maiores redes de livrarias do país pedem socorro judicial, nesses tempos de armas e ódios. Grandes e pequenas editoras balançam. E a nação que só costuma "ler" best-seller, autoajuda ou "gurus fanáticos" não parece se importar muito.

A leitura é fundamental na minha vida. Embora desconfie que se esteja lendo muito pouco, até nas universidades, digo aos meus alunos que os livros são como janelas que podemos abrir e enxergar o mundo e nossa relação com ele. Abrindo essas janelas, podemos conhecer mais, podemos nos emocionar, embravecer, estimular e, sim, sonhar e agir.

Livros, em geral, são mercadorias. Assim, estão envoltos em relações de poder. As ofertas dependem das demandas. Em dias sombrios, censuras de todos os tipos costumam se abater sobre muitos deles. Diversos já foram queimados aos berros ensandecidos de pessoas que nunca sequer os leram. Nesses ocasos da História, os livros mais perniciosos costumam ser aqueles que revelam, denunciam e mobilizam contra a tirania, a injustiça e as dominações.

São esses os mais belos livros. Esses e aqueles que contam histórias que nos fazem entender ou romper nossos próprios desejos, que nos afetam e nos fazem compartilhar afetos. Que nos fazem rir e chorar. Penso que resistir à barbárie também é fomentar pequenas editoras e livrarias. Fomentar a troca e o empréstimo de livros significativos. Espalhar livros e utopias. Quem puder, que o faça - pois bem sabemos que os armamentistas, no fundo, temem as palavras.
.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Norbert Elias e o processo civilizador


O intelectual alemão Norbert Elias (saiba mais) transita por diversas áreas das ciências humanas e sociais. Pelo menos na história e na sociologia, seu espaço está garantido como um dos principais pensadores do século 20. Muitas das suas obras marcaram o pensamento social contemporâneo, mas foram, sobretudo, os dois volumes denominados “O processo civilizador” que deram um destaque bastante abrangente ao autor. Abaixo encontra-se uma resenha Norbert Elias [Imagem retirada do sítio http://politikon.fr/wp-content/uploads/2012/12/norbert-elias.jpg]sobre o primeiro dos dois livros, cuja elaboração foi realizada em conjunto por Bernardo Caprara e Janine Prandini Silveira.
.
Nem sempre garfos foram utilizados à mesa na sociedade ocidental. O lenço difundiu-se com vasta abrangência pelos estratos da sociedade somente por volta do século XVIII. Até então, como os indivíduos faziam para limpar bocas e narizes? E como eram suas condutas à mesa? Dessas e outras questões aparentemente irrelevantes, o sociólogo alemão Norbert Elias consegue extrair sentido ao abordá-las sob um enfoque analítico longitudinal, isto é, procurando o sentido das minúcias dos hábitos cotidianos da civilização ocidental no curso da história. O problema de que trata Elias em “O processo civilizador”, cuja primeira edição data de 1939, parte da percepção de que os indivíduos ocidentais nem sempre se comportaram da maneira que chamamos de “civilizada”. Por que aconteceu essa transformação nas condutas dos seres humanos? O que versa esse tal processo civilizador? Como ele acontece? Nesse livro, Elias nos fornece algumas respostas a essas questões.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

A apologia e as formigas

 Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Há alguns dias, algumas pessoas têm me dito que o problema maior do Brasil é a “apologia” da homossexualidade, do feminismo e da divisão da sociedade em “raças”.

Há alguns dias, formou-se uma rota de formigas, no pátio de casa. Lá vão elas, sem parar, pra lá e pra cá, organizadamente, carregando pedaços de folhas e flores enormes para o seu tamanho.

Apologia é um discurso que defende, justifica ou elogia alguma coisa. Os dois exemplos recorrentes do tal problema principal do país falavam sobre as manifestações em público de amor e carinho de pessoas do mesmo sexo e da liberdade corporal das mulheres.

Ora, essas pessoas não se importavam nem um pouco, quando perguntadas, a respeito da “apologia” da matança, da tortura e do autoritarismo, tão presente nos últimos tempos. Para isso, elas diziam: “é da boca pra fora, são brincadeiras”.

Quer dizer, então, que o amor e o carinho, a liberdade e autonomia das minas pra lidar com seu próprio corpo, a defesa e o elogio da cultura e da história negra, tudo isso são problemas sociais graves – mas a defesa e o elogio da morte de opositores e da violência como plataforma política são apenas bravatas engraçadinhas?

Acho que o vaivém das formigas, sobre o solo árido e pedregoso, de aparência tão insignificante, soa bem pedagógico: a tarefa é pesada, mas só com organização, disposição e persistência será possível cumpri-la.

Passo a passo, levando a semente para desarmar o ódio e construir uma sociedade que se paute pela comunhão, pela solidariedade, pela pluralidade, pela liberdade e igualdade para todos.

.

domingo, 18 de novembro de 2018

Norbert Elias e a sociedade dos indivíduos


Toda sociedade grande e complexa tem, na verdade, duas qualidades: é muito firme e muito elástica. Em seu interior, constamente se abre um espaço para as decisões individuais. Apresentam-se oportunidades que podem ser aproveitadas ou perdidas. Aparecem encruzilhadas em que as pessoas têm de fazer escolhas, e de suas escolhas, conforme sua posição social, pode depender seu destino pessoal imediato, ou o de uma família inteira, ou ainda, em certas situações, de nações inteiras ou de grupos dentro delas. Pode depender de suas escolhas que a resolução completa das tensões existentes ocorra na geração atual ou somente na seguinte. Delas pode depender a determinação de qual das pessoas ou grupos em confronto, dentro de um sistema particular de tensões, se tornará o executor das transformações para as quais as tensões estão impelindo, e de que lado e em que lugar se localizarão os centros das novas formas de integração rumo às quais se deslocam as mais antigas, em virtude, sempre, de suas tensões. Mas as oportunidades entre as quais a pessoa assim se vê forçada a optar não são, em si mesmas, criadas por essa pessoa. São prescritas e limitadas pela estrutura específica de sua sociedade e pela natureza das funções que as pessoas exercem dentro dela. E, seja qual for a oportunidade que ela aproveite, seu ato se entremeará com os de outras pessoas; desencadeará outras sequências de ações, cuja direção e resultado provisório não dependerão desse indivíduo, mas da distribuição do poder e da estrutura das tensões em toda essa rede humana móvel.
.
REFERÊNCIA
.
ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994. Página 48.
.

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Desamparados e febris

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Um das coisas que fico pensando, agora que o ovo da serpente está eclodindo, é no gigantesco desamparo em que nos encontramos enquanto sociedade. Como parar de agir não é possível, agimos desamparados

Tirando quem legitima e/ou procura justificar assassinatos de opositores políticos, espancamento de homossexuais, mulheres e negros, que não me parece ser a maioria, muitos se sentem perdidos, desamparados, revoltados. Como ajudar para que esses não acabem nadando no esgoto do fascismo?

Pensando rápido com a psicanálise, nossas ações podem se orientar por uma “demanda” ou pelo “desejo”. Uma ação orientada por uma demanda tem o desamparo como ponto de chegada, porque procura no outro um reconhecimento, um amparo narcísico. Só que o outro pode sempre dar de ombros para a nossa demanda, o desamparo prosseguir, e a busca também.

A ação orientada pelo desejo tem o desamparo como ponto de partida. Percebendo o desamparo, os desejos recalcados no inconsciente nos movem, orientam os impulsos para a ação. Agimos e nem pensamos “por que faço isso?!”.

No cruzamento do desamparo como ponto de chegada e partida, tudo aquilo que a sociologia crítica vem dizendo há tempos sai do armário de muita gente. A verdade é que as condições de possibilidade do fascismo permaneceram por aí, década após década, brotando em meio a uma sociedade em que tudo seguia mercantilizado e a maioria excluída e humilhada.

Aí, a demanda por ser reconhecido pelo outro explode em adesão ao homem bruto e autoritário, quase num efeito manada, perfeitamente adequado a uma sociedade que nunca pagou suas contas com seus múltiplos passados e presentes de opressão.

Aí, o desejo recalcado no inconsciente, condicionado por violências diversas, humilhações, vergonhas e impotências, explode no agir desejoso de escolher um caminho perverso, um caminho que replique e multiplique as próprias mazelas num espelho sombrio.

Não acho que tenhamos 50 milhões de fascistas no Brasil. Então parece claro que há uma verdadeira máquina de guerrilha simbólica invadindo nossos desamparos e acessando nossas demandas e desejos mais escondidos, manipulando nossas pulsões de destruição.

Numa das sociedades mais violentas e desiguais do mundo, é urgente conseguir acessar o desamparo em nós mesmos e no vizinho, no colega de aula, no parceiro de trampo.

Para diminuir os efeitos da longa noite que se avizinha, vamos precisar, numa espécie de contra-máquina simbólica, tocar na nossa subjetividade mais íntima, em demandas e desejos que nos façam agir pela comunhão, pela igualdade, pela liberdade e pelo respeito.

.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Potência, substantivo feminino

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Hoje tive um sonho daqueles. Sonhei com três etapas da minha vida: infância, adolescência e vida adulta. Meus sonhos são sempre uma bagunça, mas nesse uma coisa ficava clara: eu estava muito tenso porque não podia falhar, não podia chorar e tinha que ser “macho”.

No sonho, me vi criança, depois de sofrer uma falta num jogo de futebol, começando a “entender” qual era o lugar dos guris nas interações sociais. A necessidade de não fraquejar, não demonstrar inseguranças, não acarinhar os amigos. Melhor era ser bruto.

É verdade que, em casa, isso não acontecia. Já na adolescência, com o mundo invadindo a gente em pitadas, a vida aparentava ser ainda menos subjetiva. Havia uma objetividade no “imaginário” ou no “inconsciente coletivo” sobre o que era ser um homem.

Senti tudo isso fortemente durante o sono. Então me vi adulto, olhando pra mim mesmo, com uma complexidade imensa represada no peito, boquiaberto ao ver que nunca fui aquele homem que durante tempos senti a estranha pressão para ser.

Um pouco antes de acordar, mirando o horizonte como um espelho, eu não cabia no papel que me era atribuído, no qual ser um homem adulto é jamais ser ou parecer uma criança, uma mulher ou um homossexual. Negativas que atravessam o “ser homem”.

Independente de qualquer coisa, eu não podia mais aceitar que o amor, o acolhimento, o carinho, a sensibilidade, a atenção, o afeto, um abraço... Não podia aceitar que essas fossem qualidades a serem reprimidas, ou vomitadas na sua negação, na porrada ou na bala.

Não é possível fugir de si mesmo. Quando despertei, lembrei que vivo num país em que mais da metade da seleção de futebol masculina que jogou a última Copa do Mundo foi formada por homens criados apenas pelas mães. Pensei na força e na potência daquelas minas, e nas merdas que saem do bueiro dessa masculinidade tóxica que está aí.

É evidente que não devo dizer que "toda mulher é assim" ou "todo o homem é assado". Posso dizer, isso sim, que estamos prestes a levar a brutalidade, o cinismo e a reafirmação das nossas mais profundas dominações, desigualdades e violências ao nosso cargo político mais importante. E que são milhões de mulheres e seu arsenal de potência Humana, de crítica, resistência e criação, que lideram as fileiras para evitar que isso aconteça.

.