SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 9

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

terça-feira, 30 de abril de 2013

A História das Coisas


O vídeo The Story of Stuff (A História das Coisas), elaborado e narrado por Annie Leonard (saiba mais), co-criadora e coordenadora do GAIA (Global Alliance for Incinerator Alternatives), traça uma espécie de genealogia da produção material contemporânea. Embora a autora não se refira ao verdadeiro nome do modo de produção em vigência, trata-se de uma problematização do funcionamento do capitalismo. É um material bastante didático e interessante. Porém, carece de uma visão das relações de poder associadas ao conflito inerente nas sociedades capitalistas entre capital e trabalho. 
.

domingo, 14 de abril de 2013

Michel Foucault e a noção de poder


(…) O que Foucault está nos dizendo exatamente? Em primeiro lugar, que não podemos entender as relações de poder reduzindo-as à sua dimensão econômica ou à esfera do Estado. Para ele, as estruturas de poder extrapolam o Estado e permeiam, ainda que de forma difusa e pouco evidente, as diversas práticas sociais cotidianas. Ouvimos dizer que os governantes detêm o poder. Sim, masMichel Foucault (imagem retirada do sítio http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d1/Michel_Foucault_Dibujo.jpg/200px-Michel_Foucault_Dibujo.jpg) apenas até certo ponto. Governantes não têm o poder, por exemplo, de determinar qual será a nova moda que mobilizará os jovens e fará circular uma quantidade incalculável de dinheiro no próximo inverno. Será, então, que são os ricos que detêm o poder? Os ricos certamente têm muito poder, mas não têm todo o poder. Nem eles, nem ninguém. Ninguém é titular do poder, porque ele se espalha em várias direções, em diferentes instituições, na rua e na casa, no mundo público e nas relações afetivas.

Em segundo lugar, Foucault está insistindo em sua resposta numa ideia que atravessa toda a sua obra e que vimos destacando até aqui: existe uma forte correlação entre saber e poder. Instituições como a escola, o hospital, a prisão, o abrigo para menores etc. nem são politicamente neutras, nem estão simplesmente a serviço do bem geral da sociedade. Nós é que acreditamos que elas são neutras, legítimas e eficazes porque acreditamos na neutralidade, na legitimidade e na eficácia dos saberes científicos – como a pedagogia, a medicina, o direito, o serviço social – que lhes dão sustentação. Foucault nos ajuda a perceber, portanto, que há relações de poder onde elas não eram normalmente percebidas. O conhecimento não é uma entidade neutra e abstrata; ele expressa uma vontade de poder. Se a ciência moderna se apresenta como um discurso objetivo, acima das crenças particulares e das preferências políticas, alheio aos preconceitos, na prática, ela ajuda a tornar os “corpos dóceis”, para usar outra de suas expressões.

“Se o poder fosse somente repressivo, se não fizesse outra coisa a não ser dizer não”, provoca Foucault, “você acredita que seria obedecido?”. Por meio de perguntas como esta, ele nos leva a refletir sobre os mecanismos de manutenção, aceitação e reprodução do poder. O poder, tal como Foucault o concebe, não equivale à dominação, à soberania ou à lei. É um poder que se faz aceito porque está associado ao conceito de verdade: “Somos submetidos pelo poder à produção da verdade e só podemos exercer o poder mediante a produção da verdade”, afirma ele. Nós estamos acostumados a pensar a verdade como independente do poder porque acreditamos que ela de nada depende, é única e absoluta. Assim sendo, temos dificuldade em aceitar a ideia de que o “verdadeiro” é “apenas” aquilo que os próprios seres humanos definem como tal. Para Foucault, é a crença nessa verdade que independe das decisões humanas que nos autoriza a julgar, condenar, classificar, reprimir e coagir uns aos outros.

BOMENY, Helena & FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Tempos Modernos, Tempos de Sociologia. São Paulo: Editora do Brasil, 2010. Páginas 89/90.

.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Somos seres sociais

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Ontem foi difícil dormir. Não porque as caras de incômodo do prefeito e dos privilegiados empresários do transporte coletivo martelassem na cabeça e trouxessem sorrisos satisfeitos. Mas, sobretudo, pelo fato de que o banho de chuva prolongado que milhares de pessoas tomaram pode ser capaz de renovar esperanças (saiba mais). A passagem baixou. Linda vitória, ainda que provisória. Porém, muitas outras derrotas permanecem ocorrendo dia após dia.

Penso que uma das maiores derrotas, cotidiana, diz respeito à mentalidade dominante do self made man. Uma espécie de “filosofia social” ou imaginário coletivo que aposta no indivíduo como o construtor/realizador da sua vida, por si só e sem ajudas. Falácia tão ingênua e, ao mesmo tempo, legitimada como se fosse natural do ser humano viver a sua vida sem dar a mínima para os outros. Antes que a modernidade e o capitalismo disseminassem os direitos do indivíduo, muitos deles importantíssimos, o filósofo grego Aristóteles nos lembrava de que o animal humano é, essencialmente, um ser social.

A junção das incontáveis vozes, das diferentes personalidades e dos variados interesses debaixo de uma insistente chuva impulsiona a esperança de virar a mesa contra o individualismo hegemônico. Sem querer forçar um coletivismo extremista, parece valioso retomar a noção de que dependemos uns dos outros. Óbvio: Aqueles que portam os principais privilégios usam e usarão todas as estratégias para não perdê-los, mesmo que isso vá minando a vida e confundindo a reflexão dos outros. Tudo indica que só com a união dos povos mais e mais vitórias virão.

.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

O dia em que Dorival encarou a guarda


O curta-metragem dirigido por Jorge Furtado e José Pedro Goulart, “O dia em que Dorival encarou a guarda” (saiba mais), produzido em 1986, é uma adaptação do oitavo episódio do livro “O amor de Pedro por João”, do escritor Tabajara Ruas. Detido numa prisão militar, o detento Dorival tenta convencer os guardas a deixá-lo tomar um banho. Mas o preso esbarra na negativa dos guardas, embora eles não consigam justificar para Dorival a razão que o impede de se lavar. O vídeo indica uma reflexão profunda sobre a impessoalidade do sistema repressor no Estado Moderno, além dos exageros que ele pode engendrar a partir de situações como a vivida por Dorival. O chamado monopólio da violência legítima por parte do Estado pode formatar distorções como a explicitada no filme acima. Num país como o Brasil, em que o sistema carcerário parece mais um depósito de pessoas, qual a saída? Quais as alternativas?

.