SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 9

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

terça-feira, 11 de março de 2014

Do lixo, a vitória da esperança

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Era uma cidade maravilhosa. Cheia de bonitezas. Nas gentes, nos contornos naturais. Lá, como em vários lugares, os responsáveis por recolher o lixo produzido pela sociedade apenas sobreviviam. Pobres, constantemente humilhados, tratados como os objetos que recolhiam, eles e elas atravessavam a sua existência no planeta com muitas dificuldades. Mesmo assim, os principais cartões-postais da metrópole seguiam asseados no cotidiano.

Certa vez, o prefeito daquelas bandas aprovou uma lei que multava quem jogasse lixo no chão. Interessante. Chegou o carnaval. Amontoaram-se os turistas. O prefeito jogou lixo no chão e as câmeras captaram. Em paralelo, os servidores da limpeza resolveram não mais servir. Cruzaram os braços e pediram melhores condições. De vida, de trabalho, de remuneração. Bradaram por mais humanidade.

A mídia (que desinforma) berrou como um bebê. Os moradores dos bairros nobres espernearam. A repressão cresceu. O lixo também. “Mó vacilão esse prefeito! Tinha que ralá peito de lá, porra!”, ouviu-se pelas quebradas. A coisa ficou feia, suja e fedorenta.

Das ruas veio a vitória. Com mobilização, sem implodir a tudo e a todos. O salário dos garis aumentou. Vitória da esperança.

.