SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 9

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Nunca interditar o debate

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Não tá fácil ser professor. O mais recente ataque ao ofício parece uma perseguição estilo Idade Média. Em vários estados e municípios do país, multiplicam-se projetos de lei que limitam debates em aula sobre temas “políticos, morais e religiosos”, prevendo punições graves contra professores que descumprirem a orientação. Professores de Sociologia vêm sendo demitidos por aí, em função dos seus posicionamentos particulares. Isso é muito sério e perigoso.

Sob a alegação de que a educação deve ser “neutra” e determinados temas cabem apenas à família conversar com os jovens, sofismas muito questionáveis, passo a passo vai se construindo um cenário de censura que, ao invés de fortalecer a democracia, pode ajudar a minar o seu terreno. Reduzir o espaço de diálogo sobre assuntos fundamentais da vida em sociedade e impor o medo aos profissionais da educação são características típicas do autoritarismo e de suas variantes.

Na prática, cria-se uma espécie de mordaça aos docentes das Ciências Humanas. Fico imaginando como um professor de História, de Sociologia ou de Filosofia pode deixar de abordar pautas “políticas, morais e religiosas” nas suas aulas. Como isso pode ser possível? São pautas inerentes a essas matérias, e a exposição e confrontação de ideias e argumentos antagônicos é um exercício necessário para o ato de pensar e para o próprio conhecimento.

Se a moda da mordaça se espalhar pelas salas de aula brasileiras, atente-se para o fato de que não apenas os professores considerados de esquerda poderão estar em apuros. Sim, porque por trás de ideias retrógradas como essas está a sanha por eliminar o pensamento de esquerda, entendido como hegemônico - outra coisa muito questionável. Só que aqueles que babam contra a esquerda não percebem que o veneno do autoritarismo pode trazê-los problemas também.

Como? Partindo da concepção dos projetos, em que os estudantes ou pais que se sentirem afrontados pelo tratamento em aula de alguma temática “política, moral ou religiosa” devem dedurar o professor, está aberta a caça às bruxas. E se um estudante de esquerda, oriundo de família de esquerda, dedurar o seu professor que apresentou a trajetória do liberalismo e do capitalismo? E se um estudante ateu ou agnóstico dedurar o seu professor, tendo em vista que ele apresentou a trajetória do cristianismo ortodoxo nos últimos vários séculos?

Estes projetos beiram ao absurdo, na medida em que constrangem qualquer debate sério e limitam a capacidade de articulação do pensamento, sem a qual o conhecimento perde as suas bases. Que os currículos devem apresentar as diferentes tradições políticas e ideológicas, as diferentes religiões e diferentes perspectivas morais me parece bastante importante. Dar espaço para os estudantes se posicionarem, com critérios de civilidade e respeito, é um aprendizado prático para a vida em sociedade, tão cheia de diferenças. Não dá é pra calar professores e estudantes.

Max Weber, sociólogo alemão, referia-se à ética da responsabilidade como linha de conduta docente. Projetos como “Escola Livre” ou “Escola Sem Partido”, mascarados de ética da responsabilidade, propõem o silenciamento. Não tenho dúvidas de que estudantes não são “militantes em potencial que eu devo cooptar”, seja para a esquerda ou para a direita. Só que agir com responsabilidade, o que sempre procuro fazer, não é a mesma coisa que interditar o debate.

Se eu sou professor porque acredito na luta contra a barbárie, contra o ódio desmedido e a banalização da violência, porque quero fomentar o pensamento enquanto possibilidade e ajudar a construir oportunidades para todos, construir uma sociedade menos desigual, a imposição da mordaça acaba com o meu ofício. No fundo, dizendo proteger a diversidade de argumentos, com esses projetos a liberdade vai cedendo espaço ao completo obscurantismo.

.