SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 9

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

terça-feira, 5 de abril de 2016

Simplória, a Isentona

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Complexo e Inácio, seu amigo de infância, já quase não conseguiam dividir uma cerveja. Quando se encontravam, faziam questão de se provocar. Inácio vestia vermelho até na cueca. Complexo, por sua vez, desfilava suas camisas da Seleção. A tensão os dominava.

Simplória observava os rapazes sem acreditar. Aquilo não podia ser verdade. Tanto amor, durante tanto tempo, haveria de se tornar um ódio profundo? Não podia ser. Mas Complexo e Inácio prometiam ir até o fim. Se preciso fosse, resolveriam seus problemas na porrada. Havia um único ponto em que eles concordavam.

- Tá, mas ô Complexo… e essa história da Simplória não decidir se caga ou sai da moita. Tipo, porra! Ou tu tá a favor da legalidade ou do golpe fascista!

- Vai te foder, Inácio. Golpe é essa porra de comunismo. Legalidade é o que não tem na cabeça desses facínoras que tu defende. A Simplória, sei lá, ela tá pagando de racional e estudiosa agora.

Na rua, o clima estava quente. Nas comunidades mais pobres, a guerra entre bondes e militares; em qualquer lugar, mulheres driblando o assédio; homossexuais sendo esculachados por amar quem amam; negros sendo hostilizados em função da cor da sua pele; trabalhadores perdendo direitos. A vida seguia o seu curso cruel.

Simplória estava cansada. Cansada dos maniqueísmos e também da brutal realidade. Um mundo em vários tons, um pensamento que visa a possibilidade, que não se agarra a certezas e estimula a curiosidade, tudo parecia muito longe. O diálogo estava em falta.

Desistir não fazia parte do seu vocabulário. Era uma mulher de fibra. No meio dos fanatismos, ela plantava sementes. Àqueles que se encontravam bestializados frente a briga oligárquica pelo poder maior da República, ela incentivava a autonomia, a emancipação, a auto-organização. Combatia, assim, a barbárie, o impulso da destruição, o ódio desmedido, a violência que extermina o outro diferente. Teimava.

.