SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 9

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Paranoia como projeto político

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

A gente vive pedindo mais saúde, educação e segurança. Contudo, hoje, se vamos à luta por mais recursos para a educação pública, somos comunistas. Se vamos à luta por mais recursos para o SUS, somos comunistas. Se vamos à luta por uma outra política de segurança, voltada para a cidadania e os direitos humanos, somos comunistas.

A gente vive pedindo uma reforma política. Porém, se apoiamos e vamos à luta com os estudantes que ocupam centenas de escolas pelo país todo, somos comunistas. Se vamos à luta com os corajosos secundaristas, que querem reinventar a democracia, solapar o seu caráter oligárquico dominante, construir organizações horizontais e incentivar o protagonismo e a participação, somos comunistas. Esquerda e igualdade são termos achatados na expressão "comunismo" e, de imediato, criminalizados.

É impressionante. Qualquer rejeição ao racismo, ao machismo, à misoginia, à homofobia e qualquer tentativa de fortalecer proteções sociais para os trabalhadores e as classes populares, logo é taxada de comunista. Que diabos. O fantasma da Guerra Fria, recriado e requentado num contexto bastante diferente, ainda segue como falácia na boca dos que querem manter tudo como sempre esteve. Nada mais do que uma forma de tentar criminalizar quem busca mais igualdade e liberdade para todos.

Isso me faz lembrar do personagem Ira Ringold, protagonista do livro “Casei com um comunista”, do genial estadunidense Philip Roth. Ira, comunista, e seu irmão, professor de literatura inglesa, incentivador do pensamento crítico, sofrem todas as consequências da perseguição política do macartismo nos EUA, logo após o fim da Segunda Guerra. Suas vidas são devastadas pela intolerância política, enquanto escândalos e mais escândalos envolvendo governantes não merecem maiores atenções.

Uma ideia de Ira Ringold não me sai da cabeça. Mesmo sendo um personagem controverso, ele acerta quando diz que, para muitos dos que nos governam, o problema do país não é a forma como tratamos os trabalhadores, os negros, as mulheres, os homossexuais, os deficientes, os jovens, não é o abismo de oportunidades entre ricos e pobres. O problema, para eles, são os poucos comunistas que ainda existem. Não dá pra acreditar, mas essa paranoia segue por aí. Só dá pra acreditar se percebermos que a paranoia, na real, é um projeto político e ideológico.

.