SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 10

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Meritocracias ao avesso

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

À frente, centenas de pessoas descem do trem. É cedo, rua bombando.

À direita, no trânsito, o homem de 40 e poucos anos fala ao celular:

- Pode passar a SUV pra outro... meu guri tá indo pra Inglaterra, não vai mais ficar com a nave.

À esquerda, debaixo do viaduto, uma família faz o fogo de chão pro café da manhã.

O homem à direita segue ao telefone. Sinal fechado. Ele dá risada:

- Porra, irmão! O guri fez o melhor colégio, melhor cursinho e tudo mais. Mas não passou. Essa banda na Europa é pra amenizar o baque.

À sombra do viaduto, toalha perfeitamente esticada sobre a mesa improvisada, talheres, pratos e copos sortidos, duas fatias de pão e um café preto aguado. Quatro pessoas pra comer. Duas crianças lavam o rosto e os dentes, sob o olhar atento dos pais.

Atrás, dois vizinhos comentam a chegada da família ao viaduto.

- Falei com eles ontem. Ele tem curso superior, mas não consegue emprego. Há um ano eles viviam dos bicos de ambos. Até isso rareou. Pode ver, ali tá tudo caprichado, com esmero. Tudo limpo, dentro do possível naquelas condições. Olha a barba super bem feita dele.

Aberto o sinal, o pai do garoto viajante arrancou sua Mercedez. Os vizinhos completaram:

- Viu esse que tava no telefone, falando do filho? Negou três vezes uma vaga pro cara na empresa dele. A mina, nem pra faxina ele aceitou.

- Ué, mas por quê?

- Disse que até tinham um currículo razoável, mas que, morando na rua, só podiam ser vagabundos, gente que não se esforça.

Brasil, século XXI. Meritocracias ao avesso. Vida aviltante - ao cubo.

.

terça-feira, 10 de abril de 2018

O perigo da pós-verdade

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Uma das coisas mais preocupantes no tempo presente e no futuro próximo é a avalanche de notícias e informações falsas chegando para cada um de nós, por meio de várias plataformas. Se com a falsificação de textos e imagens uma parcela enorme da sociedade já tem dificuldades de distinguir o que é verdade e o que é mentira, quando se popularizar a manipulação de vídeos e áudios nós estaremos, literalmente, mais que perdidos. Isso já tá rolando, sob a alcunha de “deep fake news” (“falsificação profunda de notícias”, em tradução livre). 

Uma das loucuras nisso tudo é que a discussão sobre o “estatuto da verdade” já existe há muito tempo na Filosofia e nas Ciências Humanas. Entre as notícias que recebemos no cotidiano, em geral temos condições de distinguir o que é falso e o que não é. Em grande parte ainda é simples separar o joio do trigo. Já existem até sites e jornalistas fazendo isso. Ocorre que a noção de “fact check” (“checar os fatos”), esgaçada até o limite, não nos leva a um lugar conclusivo. É fácil questionar diversas conclusões dos “checadores de fatos” sobre determinados temas mais complexos, que envolvem maior subjetividade. A menos que se cheque absolutamente tudo (tarefa insana!), a própria seleção do que checar já denota alguma ausência e pode enviesar um debate.

No fundo, Jornalismo e Ciências Humanas estão diante da popularização de algo que atravessa os nossos fazeres profissionais há um bom tempo, que é a necessidade de estar sempre discutindo o que se entende por verdade. No Jornalismo, temos, sobretudo, a questão da imparcialidade. Nas Ciências Humanas, pra falar só de alguns caminhos, podemos pensar que a verdade é objetiva e basta pesquisá-la; que ela é objetiva, mas é preciso um trabalho de pesquisa metódico e sistemático; podemos pensar que só temos condições de conhecer uma parte dela, porque a verdade é carregada de subjetividades; ou, enfim, que o foco não deve estar na busca da verdade, mas somente nas subjetividades das relações humanas.

Nas últimas décadas, o distanciamento da comunidade científica e a seletividade ideológica dos meios de comunicação de massa ajudaram a pôr essas instituições sob a desconfiança de diferentes setores da sociedade. A essa altura do campeonato, com o mundo em chamas, parece que estamos à deriva, e que diferentes grupos disputam a direção de um barco que ninguém calcula pra onde vai. Nessa batalha, perdemos todos. Sem o mínimo de confiança nas mensagens que nos bombardeiam sem parar, em qual mentira vamos acreditar?

.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Aristóteles, a ética e a técnica



"Se devemos a Sócrates o início da filosofia moral, devemos a Aristóteles a distinção entre saber teorético ou contemplativo e saber prático. O saber teorético ou contemplativo é o conhecimento de seres e fatos que existem e agem independentemente de nós e sem nossa intervenção ou interferência, isto é, de seres e fatos naturais e divinos. O saber prático é o conhecimento daquilo que só existe como consequência da nossa ação e, portanto, depende de nós. A ética e a política são um saber prático. O saber prático pode ser de dois tipos: práxis ou técnica.

Na práxis, o agente, a ação e a finalidade do agir são inseparáveis ou idênticos, pois o agente, o que ele faz e a finalidade da sua ação são o mesmo. Assim, por exemplo, dizer a verdade é uma virtude do agente, inseparável de sua fala verdadeira e de sua finalidade, que é proferir uma verdade; não podemos distinguir o falante, a fala e o conteúdo falado.

Na práxis ética, somos aquilo que fazemos e o que fazemos é a finalidade boa ou virtuosa. Ao contrário, na técnica, diz Aristóteles, o agente, a ação e a finalidade da ação são diferentes e estão separados, sendo independentes uns dos outros.

Um carpinteiro, por exemplo, ao fazer uma mesa, realiza uma ação técnica, mas ele próprio não é essa ação nem é a mesa produzida por ela. A técnica tem como finalidade a fabricação de alguma coisa diferente do agente (a mesa não é o carpinteiro, enquanto uma fala verdadeira é o ser do próprio falante que a diz) e da ação fabricadora (a ação técnica de fabricar a mesa implica o trabalho sobre a madeira com instrumentos apropriados, mas isso nada tem a ver com a finalidade da mesa, uma vez que o fim é determinado pelo uso e pelo usuário). Dessa maneira, Aristóteles distingue a ética e a técnica como práticas que diferem pelo modo de relação do agente com a ação e com a finalidade da ação".

Referência

CHAUI, Marilena. Introdução à Filosofia - Ensino Médio, volume único. São Paulo: Ática, 2010. Páginas 271-272.

.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

A corrosão das instituições e a barbárie como gramática social no Brasil

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

O buraco em que nos metemos nos últimos anos tem sido debatido à exaustão. Vários pontos importantes vêm sendo abordados por quem se coloca a pensar o que vem acontecendo. Dois pontos em especial têm me tomado as atenções nos últimos dias: a corrosão acelerada das nossas instituições e o avanço da barbárie como gramática legitimada da vida social.

Hoje, não há quem não critique as principais instituições da modernidade, aquelas que dizem respeito ao Estado, mas também ao mercado. No Brasil, o Estado costuma ser o centro das discussões. A ineficiência das suas instituições e a má conduta dos agentes institucionais (corrupção, por exemplo) não são novidade pra ninguém. Escolas, hospitais, parlamentos, judiciário e demais esferas institucionais são vistas como ineficazes e berços de privilégios, muitas vezes sem se fazer distinção entre os diferentes setores, seus orçamentos e a postura dos seus agentes.

Desde Marx, as críticas às instituições modernas se radicalizaram, a ponto de o Estado ser interpretado como um balcão de negócios das classes dominantes. Dessa visão se fortaleceu a análise de que as instituições da democracia liberal-representativa avançaram qualitativamente na comparação com as sociedades absolutistas, mas não deram conta de mitigar o conflito entre o capital e o trabalho, intrínseco à própria lógica das relações de produção capitalistas. As instituições estariam formatadas em prol da igualdade formal para todos, iguais perante as leis, conquanto não se tocasse nos alicerces que garantem a propriedade privada dos meios de produção. Assim, não se radicalizariam as medidas de redistribuição das riquezas materiais ou se democratizariam as relações de poder no âmbito do trabalho.

Se a força dos sindicatos e dos movimentos de trabalhadores foi a tônica das críticas às instituições durante a primeira metade do século passado, pelo menos desde maio de 1968 outras contestações vieram à tona. Não mais apenas a exploração do trabalho servia de base para iluminar as debilidades institucionais. A emergência das vozes silenciadas na arena sociopolítica, a partir das lutas pelos direitos das mulheres, dos negros e indígenas, dos homossexuais e transexuais, além de outras minorias de poder, ampliou o leque de investidas contra a institucionalidade moderna e desnudou as diversas dominações que ela não interditou.

No início do século atual, a perspectiva crítica às instituições ganhou corpo de tal modo que os fatores citados acima passaram a ser pensados em conjunto. Exploração de classe, dominação patriarcal, heteronormatividade e neocolonialismo, para me ater a esses termos, em alguma medida agora podem ser articulados na noção de interseccionalidade das desigualdades. Aí a briga para fazer com que as instituições da democracia liberal atendessem às demandas dessas populações segregadas ganhou fôlego e pressionou a sociedade como um todo, desestabilizando o pretenso equilíbrio normal das estruturas sociais e demonstrando sem máscaras a incapacidade institucional de atender a essas demandas.

Foi no século passado que alguns autores (como Adorno e Horkheimer) perceberam que o desencantamento do mundo assinalado por Weber vinha se transformando numa racionalidade dominante bastante nociva, isto é, a racionalidade instrumental da economia de mercado transbordava as molduras econômicas e atingia a subjetividade das relações humanas. Pouco a pouco, a mercantilização de tudo que nos importa foi tomando conta daquilo que chamamos de "razão", tendo como consequência uma enorme irracionalidade na organização da vida coletiva e na preservação da natureza, adicionando mais obstáculos ao bom funcionamento das instituições e fazendo da convivência entre as pessoas um faroeste marcado pelo poder de compra.

Então, em 2008, a explosão da bolha imobiliária, fruto dos empréstimos de alto risco e sem lastro, sobretudo no epicentro da modernidade avançada, os EUA, fez o mercado radicalizar as suas críticas às instituições que garantem (e garantiram também na crise do subprime) o seu próprio funcionamento. Só que essas críticas vieram pelo lado dos agentes dominantes, na medida em que apontavam para os "gastos exagerados" da sociedade em instituições públicas voltadas para a redistribuição de oportunidades, como escolas, hospitais ou aposentadorias. Na métrica da racionalidade indiscutível da era neoliberal, o privado é o reino da excelência e o público o vazio do "sem donos" ou da "improbidade administrativa". O braço direito do Estado, sobretudo o judiciário, cujos operadores do direito recebem altíssimos rendimentos pagos pelos nossos impostos, completamente retido pela narrativa gerencial das escolas jurídico-empresariais estadunidenses, parece fechar em uníssono em torno da reconfiguração completa das instituições sob a égide dessa racionalidade puramente instrumental.

Chegamos ao momento histórico em que a crítica às instituições da democracia liberal vem de todos os lados. Já não sabemos ao certo, quando ouvimos um amigo ou conhecido criticar um hospital ou o fisco, se a reclamação vem acompanhada de uma busca por fazer dessas instituições locais eficientes e justos, ou se vai trazer um sentimento de tamanho desencantamento que qualquer narrativa contestatória, inclusive as autoritárias ou elitistas, passem a fazer sentido e indicar possíveis bandeiras a serem hasteadas.

No limite, tudo que foi dito até aqui, dessa institucionalidade precária e conectada às diferentes desigualdades até a predominância da racionalidade instrumental, pode ajudar a entender o deslocamento evidente no cotidiano brasileiro das "soluções mediadas" dos nossos conflitos para a falsa solução da "ponta da faca". Se as instituições não funcionam ou funcionam muito mal, se a minha racionalidade orbita na dinâmica do gerenciamento individual, por quais motivos devo apostar minhas escassas fichas da sobrevivência num sistema que não me traz benefícios? De qualquer lado do espectro ideológico, essa postura parece ganhar respaldo nesses tempos de extrema turbulência e polarização.

O caminho para a guerra de todos contra todos ou para a adesão aos autoritarismos messiânicos é pavimentado pela banalização da despersonalização do outro, quer dizer, daquele ao qual eu identifico como o inimigo. Numa sociedade de mercado, movida por uma racionalidade gerencial e sustentada em instituições injustas/ineficientes, o inimigo tende a ser aquele que ameaça a propriedade privada, no "varejo" do cotidiano; no "atacado" das relações políticas, institucionais ou não, o inimigo pode ser associado, por tabela, àqueles que desafiam a propriedade privada dos meios de produção e propõem um governo em comum dos bens e serviços essenciais para uma sociedade livre, justa e fraterna, bem como a total afirmação das diversidades.

Por fim, nesse caldo de violência, ainda com traços coloniais (o racismo segue estrutural por aqui), o inimigo não é mais um time adversário que deve ser derrotado dentro das regras do jogo, mesmo que isso inclua reformatar essas regras: ele deve ser eliminado, trancafiado e, na cabeça de alguns, para deleite do sadismo que a despersonalização do outro faz aflorar, torturado física e simbolicamente. Quando o juiz é sempre ladrão e ninguém mais acredita que ele possa não ser, não se trabalha mais para fazê-lo justo e a pancadaria vira o mote para cada um dos jogadores. Daí, pode só restar o "salve-se quem puder".

.