SOCIOLOGIA & OPINIÃO / ANO 10

América do Sul, Brasil,
PÁGINA INICIAL LEIA ANTES! SOBRE O EDITOR TEXTOS DO EDITOR BIBLIOTECA MATERIAIS DE AULAS

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Potência, substantivo feminino

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Hoje tive um sonho daqueles. Sonhei com três etapas da minha vida: infância, adolescência e vida adulta. Meus sonhos são sempre uma bagunça, mas nesse uma coisa ficava clara: eu estava muito tenso porque não podia falhar, não podia chorar e tinha que ser “macho”.

No sonho, me vi criança, depois de sofrer uma falta num jogo de futebol, começando a “entender” qual era o lugar dos guris nas interações sociais. A necessidade de não fraquejar, não demonstrar inseguranças, não acarinhar os amigos. Melhor era ser bruto.

É verdade que, em casa, isso não acontecia. Já na adolescência, com o mundo invadindo a gente em pitadas, a vida aparentava ser ainda menos subjetiva. Havia uma objetividade no “imaginário” ou no “inconsciente coletivo” sobre o que era ser um homem.

Senti tudo isso fortemente durante o sono. Então me vi adulto, olhando pra mim mesmo, com uma complexidade imensa represada no peito, boquiaberto ao ver que nunca fui aquele homem que durante tempos senti a estranha pressão para ser.

Um pouco antes de acordar, mirando o horizonte como um espelho, eu não cabia no papel que me era atribuído, no qual ser um homem adulto é jamais ser ou parecer uma criança, uma mulher ou um homossexual. Negativas que atravessam o “ser homem”.

Independente de qualquer coisa, eu não podia mais aceitar que o amor, o acolhimento, o carinho, a sensibilidade, a atenção, o afeto, um abraço... Não podia aceitar que essas fossem qualidades a serem reprimidas, ou vomitadas na sua negação, na porrada ou na bala.

Não é possível fugir de si mesmo. Quando despertei, lembrei que vivo num país em que mais da metade da seleção de futebol masculina que jogou a última Copa do Mundo foi formada por homens criados apenas pelas mães. Pensei na força e na potência daquelas minas, e nas merdas que saem do bueiro dessa masculinidade tóxica que está aí.

É evidente que não devo dizer que "toda mulher é assim" ou "todo o homem é assado". Posso dizer, isso sim, que estamos prestes a levar a brutalidade, o cinismo e a reafirmação das nossas mais profundas dominações, desigualdades e violências ao nosso cargo político mais importante. E que são milhões de mulheres e seu arsenal de potência Humana, de crítica, resistência e criação, que lideram as fileiras para evitar que isso aconteça.

.